Perfil do Curso

Objetivos / Descrição

Datas

O curso de Extensão - Cinema e Psicanálise - A Família: Estrutura, Drama e Referências está com inscrições abertas de 30/08/2021 até 27/09/2021. O curso terá início em 29/09/2021 e seu término está previsto para 01/12/2021.

Objetivos

- Realizar um amplo estudo sobre as temáticas relativas à Família em seus aspectos subjetivos, sempre com o auxílio do corpus conceitual da Psicanálise e da Antropologia, através do uso de filmes cuidadosamente selecionados. Apresentações conceituais importantes sobre os temas propostos. Visa também possibilitar diálogo e reflexões para melhor contribuir para a riqueza do debate e transformações sociais relativas aos temas fundamentais contemporâneos. - Reunir integrantes do curso em fóruns de discussão em torno dos temas propostos pelos filmes. - Sensibilizar os participantes quanto à necessidade de conhecimentos mais aprofundados a respeito das temáticas relativas aos estudos sobre a Família. - Articular os saberes da Psicanálise e da Antropologia com as trajetórias e dramas familiares apresentados nos filmes escolhidos para análise. - Subsidiar e capacitar profissionais para que possam melhorar serviços de promoção de saúde mental, em seu viés de valorização da vida. - Transmitir e articular conceitos da Psicanálise e da Antropologia no intuito de favorecer pesquisas e futuros estudos sobre os temas em questão. - Subsidiar fundamentos teórico-clínicos para projetos de prevenção.

Descrição

O curso tem a duração de 10 semanas. Possui a carga horária de 60 horas.

Informações

Estudando uma análise de DNA em ossadas encontradas em escavações, pesquisadores da Universidade de Adelaide, na Austrália, identificaram quatro corpos, sendo: uma mãe, um pai e seus dois filhos, um deles com aproximadamente 8 ou 9 anos e o outro com 4 ou 5 anos. Com uma idade de 4600 anos a descoberta consiste no mais antigo registro genético molecular já identificado de uma família no mundo, ou seja, de pessoas vivendo em proximidade continuada. A História nos apresenta diferentes fases e complexas formulações e modos de organização da família, desde aquele modo familiar que surge com o início da civilização, a escrita, as leis, passando pela família conhecida como tradicional e a família que chamamos de moderna até alcançarmos a família contemporânea. A família é uma estrutura. Está em constante transformação e baseia-se em amplas possibilidades de relações. Nela pode-se ver a ação da Cultura transmitindo significados, valores e práticas. Historicamente a família sempre esteve às voltas com os temas da autoridade, transmissão de patrimônio, as regras de casamento. Não se pode separar a relação entre Família e Cultura. Mas também o amor, as trocas afetivas, o cuidado e a educação dos filhos estiveram por muito tempo a embasar o que se entendia por família. Hoje, mais do que em outros tempos, precisamos estudar a complexidade das famílias bem como lutar pelo reconhecimento das profundas mudanças que ela vem sofrendo no sentido de incluir outras formas de ser e estar na vida e conceber os arranjos afetivos e de interesse. O mundo contemporâneo, marcado pela rápida obsolescência, fragmentação, consumo exagerado, individualismo, determina as formas de as pessoas se relacionarem. A construção das famílias passa a ser regida pela qualidade da relação, comunhão de interesses e vida sexual. A geração de filhos e a transmissão de patrimônio já não são mais os principais motivos da existência da família. A queda do patriarcado tradicional e os avanços dos movimentos feministas alteram profundamente a circulação de valores dentro da família. Como se constituem os Sujeitos a partir dessas transformações? Blanca Sanchez nos informa que (...) em Romances Familiares (texto de Freud de 1908), a família ganha uma dimensão de ficção, um romance, produzido pelo sujeito a fim de explicar seus laços familiares, explicitados naquilo que Freud nomeou como novela familiar. A família apresenta-se como um discurso a partir do relato que um sujeito faz dela e não tanto como uma estrutura de relações. Desse modo, torna-se possível localizar como o sujeito se situa em relação ao desejo do Outro e aos significantes privilegiados advindos dessa história familiar (SANCHEZ, 2006). Freud então nos ensina que a família, presente no discurso dos analisantes, é essa família romanceada, produzida pelo neurótico que não necessariamente coincide com aquela do cotidiano da cena familiar. Para Lacan, a partir do texto Os complexos familiares na formação do indivíduo (1938), a família desempenha papel fundamental na transmissão de uma cultura. A família é hegemônica na educação inicial da criança, atuando na repressão das pulsões, na transmissão da língua. Além disso, é responsável pelos processos fundamentais da estruturação psíquica e a transmissão de símbolos e condutas que ultrapassam a as consciências individuais. Relaciona as gerações num contínuo psíquico. Nas famílias existem as proibições, as regras, as leis, os respeitos, o parentesco, as normas de herança e sucessão. Tais laços são construídos não pelas insígnias da consangüinidade, mas pelos simbolismos e ritualística que constituem essas relações. Assim, a família não é apenas uma instituição jurídica e contratual, mas uma estrutura que perpetua e transmite entre as gerações as interdições ao gozo, ao prazer, transmite também o desejo e os ideais à medida que a linguagem vai sendo transferida. Ainda que a família seja alvo de constante bombardeio e transformações, ainda é a família a instituição pela qual mais se erguem as lutas para reconhecimento e pertencimento. Mas a família também continua sendo o lugar em que a Neurose, a Psicose, a Perversão e as formas de Autismo continuam se desenvolvendo. Nela, ainda há formas de violência de várias ordens que marcam as subjetividades. Os traumas surgidos na convivência familiar são marcar trazidas para a vida adulta que se traduzem em várias modalidades clínicas de sofrimentos e repetições. Sobre todos esses assuntos o cinema sempre foi pródigo em levar às telas os dramas cujos enredos têm na família seu lugar de surgimento. Este curso vai analisar uma lista de filmes que abranjam esses dilemas familiares na tentativa de trazer conhecimento sobre os processos inconscientes que conduzem às desordens familiares e aos sofrimentos particulares. Esta proposta irá oportunizar momentos de interação entre o profissional da área da Saúde Mental e o público-alvo, a comunidade interna/externa à Universidade Estadual de Ponta Grossa, no formato de “Conversa com o Psicanalista”. O evento prevê momentos de estudo orientado, bem como a abertura de um espaço para exposição de demandas relativas aos temas propostos. Os textos e demais conteúdos propostos para estudo auxiliam na compreensão dos fenômenos. Este evento vinculado ao projeto de extensão “Techné: socialização da EaD como formação e política pública”, cujo objetivo é promover ações extensionistas de cunho formativo e informativo para atender demandas da sociedade, ofertando cursos, serviços e eventos disponibilizados no âmbito da Educação a Distância, da Educação Aberta e da Educação Tecnológica. Em síntese, o projeto “Techné”, ao qual se integra “Cinema E Psicanálise” compreende ações extensionistas próprias do Nutead, abrindo-se, ainda, a parcerias que envolvam a promoção de extensão na EaD.

Perfil do Aluno

comunidade interna e externa à UEPG.